Governo de SP volta atrás: professor que não fez prova poderá dar aulas

O Secretário de Educação de São Paulo, o tucano Paulo Renato, confirmou hoje a notícia publicada pelo, também tucano, jornal Folha de São Paulo. O governo do Estado irá voltar a contratar como professor temporário quem não fez o concurso público do final do ano passado.

Não há melhor maneira de analisar a situação do que citando o velho jargão “seria cômico se não fosse trágico”.

Relembrando. Ano passado, usando o pretexto de selecionar apenas profissionais bem qualificados para o exercício do magistério, o governador José Serra instituiu um concurso público para seleção de professores temporários. O projeto foi alvo de várias críticas. (mais…)

Anúncios

Amanhã, depois de um mês de silêncio, a greve dos professores aparecerá na mídia

Hoje o PSDB, o PIG e a nojenta elite paulista mais uma vez calou os professores e avançou na destruição da educação pública

por Chico Cabral

Eles conseguiram!

Depois de reprimir duramente o magistério em greve. Depois de mentirem e assediarem moralmente professores que aderiam ao movimento. Depois de barrar ônibus nas estradas. Depois de demitir professores da categoria “O” por faltas(greve), de cortar bônus e cortar salário de todos os professores grevistas. Depois do silencio ensurdercedor do governo e da imprensa… eles conseguiram! (mais…)

O choque de gestão de Serra e do PSDB

Por Ricardo Maciel

À frente do governo de São Paulo, José Serra mostrou exemplarmente o que é o choque de gestão do PSDB. Em pouco mais de três anos Serra mandou bater em sem-terra, sem-teto, moradores da periferia, camelôs, estudantes universitários, funcionários das universidades públicas paulistas, professores da USP, estudantes secundaristas, manifestantes anti-Bush, funcionários públicos de categorias diversas, bater na própria polícia e ontem mandou descer porrada nos professores da rede pública de São Paulo. É tanta repressão que nem mesmo a “grande” imprensa, tão dedicada em protegê-lo, não encontrou meio de não deixar de registrar as cenas de pancadaria protagonizadas por ordem de José Serra ao longo dos seus lamentáveis pouco mais de três anos como governador. Basta dar uma busca no google, pesquisar nos jornais ou ir ao Youtube que está tudo lá. Bomba de gás lacrimogêneo, bala de borracha, cassetete e spray de pimenta são mais experimentados pela população de São Paulo do que em toda Palestina.

Neste diapasão serrista de resolver tudo a manu militari, lembremos que durante o governo Serra a Polícia invadiu bairros pobres, assentamentos, pelo menos três universidades (USP – duas vezes –, Unesp de Araraquara e PUC de São Paulo) e uma faculdade (Fundação Santo André).

Um governo que lança mão de tanta força, não dialoga com seu povo porque não quer ou porque não pode; no caso do Serra são as duas coisas. Um governo que só se valida pelo recurso à violência e a blindagem da “grande” imprensa (Globo, O Globo, Época, Folha de São Paulo – também conhecida como Ditabranda –, Estado de São Paulo, Veja e Rede Bandeirantes) – blindagem feita por adesão a um projeto elitista provinciano, mas muitas das vezes com indícios de ser comprada, afinal, ninguém esquece dos milhares de assinaturas  dos jornais Folha e Estado feitas para as mais de 5.000 escolas do estado; da revista Nova Escola (Grupo Abril) enviada, sem que ninguém tenha pedido, para milhares de professores do ensino básico; do patrocínio exclusivo e constante do SPTV 2º Edição (órgão oficioso de relações públicas do Palácio dos Bandeirantes); da preferência pela gráfica da Folha (Plural) para imprimir apostilas e materiais do governo; da compra de livros da Ática (Grupo Abril) etc. (um etcetera bem extenso), tudo feito na maior parte das vezes sem licitação, sem levar em conta que existem outros fornecedores, com uso de dinheiro público e autorização do José Serra. Enfim, um governo que apela para a truculência ao longo de toda sua duração, é um governo autoritário, antidemocrático e que não governa para a população, mas em nome de poucos, cujos interesses são inconfessáveis.

José Serra não tem mais autoridade moral para governar (mais…)

Base do governo Serra boicotou audiência pública sobre terceirização do ensino de línguas no estado

Por Chico Cabral

Há dois dias publicamos neste blog um texto sobre a implementação do ensino de espanhol no estado de São Paulo, que se configura como um avanço das privatizações na educação e um retrocesso no processo de integração latino americana em curso desde a aplicação da lei 11.161. Com muito pesar e revolta notificamos que a audiência pública marcada com a comissão de educação da ALESP foi boicotada por toda a base de apoio do governo Serra, de forma que seu não comparecimento impediu que se obtivesse quórum necessário para uma reunião da comissão. (mais…)

Heliópolis_PM

José Serra é exímio em estimular ou mandar executar mandados de reintegração de posse de propriedades privadas ou públicas quando ocupadas pelo povo. Nos últimos três anos vimos mais de uma dezena de reintegrações violentas levadas a termo pela polícia de Zé Pedágio, sempre, sempre em cima de populações carentes ou movimentos sociais; nunca, nunca sobre o capital, por exemplo, por que o estado não age para retirar a Globo do terreno que ocupa irregularmente (mais…)

A briga está armada. Pressionado por movimentos populares, o Partido dos Trabalhadores tem realizado esforços para conseguir aprovar cotas sociais nas universidades federais de todo país. Por sua vez, a bancada demo-tucana tenta impedir que as universidades públicas que já adotaram o sistema continuem usando tal critério para seleção de alunos. Isso porque os companheiros de Serra e FHC preveem que a batalha em Brasília para abortar o projeto será difícil, podendo os petistas usar essa questão para manchar a imagem do PSDB em pleno ano eleitoral. (mais…)

Alunos da USP aprendendo o que é o choque de gestão de Serra e do PSDB

Alunos da USP aprendendo o que é o choque de gestão de Serra e do PSDB