APEOESP: a razão cínica de uma sentença?

Por Gilson Caroni* (publicado originalmente no site Carta Maior)

Ao considerar “manifestações de cunho eleitoral e depreciativo” os atos organizados pelo Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (APEOESP), Nancy Andrighi, ministra do TSE, não reforçou apenas a suspeita de um Poder Judiciário partidarizado, atuando como sujeito ativo em favor dos interesses da candidatura de José Serra. Sua decisão contribuiu também para criar uma situação insustentável em um país que se pretende habilitado à modernidade, com solidez institucional e sistema político dotado de competitividade. (mais…)

Anúncios

Amanhã, depois de um mês de silêncio, a greve dos professores aparecerá na mídia

Hoje o PSDB, o PIG e a nojenta elite paulista mais uma vez calou os professores e avançou na destruição da educação pública

por Chico Cabral

Eles conseguiram!

Depois de reprimir duramente o magistério em greve. Depois de mentirem e assediarem moralmente professores que aderiam ao movimento. Depois de barrar ônibus nas estradas. Depois de demitir professores da categoria “O” por faltas(greve), de cortar bônus e cortar salário de todos os professores grevistas. Depois do silencio ensurdercedor do governo e da imprensa… eles conseguiram! (mais…)

Serra, a culpa é sua. A greve continua!

Os professores da rede pública do Estado de São Paulo conseguiram realizar mais uma assembléia vitoriosa nesta sexta feira (19/03),  que, segundo a APEOESP, reuniu 60 mil pessoas.

(mais…)

Foto: Apeoesp

Assembléia que decidiu pela greve, em 05/02/10 (Foto: Apeoesp)

Professores entram em greve. Difícil prever se ela será exitosa

Por Ricardo Maciel*

“215 mil professores da rede estadual de SP entraram em greve na última 6º-feira por 34,3% de aumento. Há 16 anos no poder, o PSDB paulista paga a um professor de 1a. a 4a. séries um piso de R$ 785,50 (carga de 24 horas semanais); com gratificações, o total vai a R$ 958,53. Em fim de carreira, mantida a mesma jornada, o salário não passa de R$ 1.153,21. A tentativa tucana de substituir a agenda de reajustes pelo critério do mérito soa como um passa-moleque na categoria, prejudicada pelo arrocho imposto por sucessivos governos do PSDB no setor da educação. Levantamentos de 2007 já mostravam que os salários do professorado paulista eram 39% inferiores aos de seus colegas do Acre. Aos tucanos e ventrílocos que omitem as perdas acumuladas e acusam a ‘ natureza política’ do movimento, lideranças da Apeoesp respondem de forma taxativa: ‘Paguem e a categoria volta ao trabalho.’”**

Em assembléia realizada ontem (05/03), professores da rede pública de São Paulo decidiram entrar em greve. As reivindicações são justas***, afinal 16 anos de gestão tucana tornaram a educação paulista em terra arrasada. Não que ela esteja bem em qualquer lugar do país, pelo contrário, vive uma crise constante e permanente. No entanto, em São Paulo o cenário é dramaticamente pior. (mais…)

Assembléia da Apeoesp em jan/2010

Professores da rede pública de ensino de São Paulo podem entrar em greve

Os professores do Estado de São Paulo têm uma assembléia marcada para esta sexta feira, dia 5 de março, às 15h na Praça da República, ao que tudo indica poderão sair de lá em greve. (mais…)

A Apeoesp (Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo) é o maior sindicato em número de filiados no Brasil, responsável por representar mais de 130.000 professores filiados em toda à rede pública de São Paulo. Apesar da inquestionável representatividade da Apeoesp, o governo José Serra recusa-se a escutá-la sobre questões pertinentes à educação e ao professorado, inclusive em temas onde há uma lei estadual determinando (mais…)

Nos últimos dias o governo do Estado anunciou novo mecanismo que pretende adotar para a evolução da carreira dos professores da rede pública, tudo feito no estilo Serra: sem consulta, sem negociar. Antes mesmo de qualquer aviso ao professorado e seus órgãos representativos, o novo projeto foi comunicado prioritariamente à imprensa. Aliás, nenhuma novidade, Serra transforma tudo em peça de marketing. Tudo deve parecer independente do que seja. (mais…)