Reitoria da USP ocupada

Por Universidade para quem?

Hoje, por volta das 10 horas, a Reitoria da USP foi ocupada pelos funcionários em greve. O ato conta com apoio efetivo de muitos estudantes e movimentos sociais.

Os funcionários da USP estão em greve desde maio, quando o atual reitor, João Grandino Rodas, concedeu aumento aos professores, não fazendo o mesmo em relação aos funcionários. Ao conceder aumento de salários e outros benefícios apenas à categoria docente, Rodas pretendia isolar o Sintusp, buscando cortar-lhe apoio por meio da cooptação. Por enquanto, isso parece ter dado certo, visto que os funcionários seguem em sua greve praticamente sem opoio dos professores da USP.

As reivindicações básicas dos funcionários são: aumento de 6% à categoria, como concedido aos professores da USP; Unesp e Unicamp em fevereiro, além dos 6,57% concedidos a todos servidores das universidades paulistas, em maio; fim das perseguições políticas e dos processos contra sindicalistas e estudantes; e, neste momento inclui-se pelo não corte de salários dos grevistas.

Desde o início da greve a reitoria vinha ameaçando cortar o salário dos que estão paralisados, desconhecendo, desta forma, o direito de greve. Neste mês efetivou-se as ameaças e os salários foram cortados. O total desprezo de Rodas com as reivindicações dos funcionários, sucedido do corte de salários de agora, parece ter levado a que o prédio da reitoria fosse tomado como forma protesto.

Leia aqui breve análise que fizemos, antes desta ocupação, sobre o que ocorrendo em torno desta greve.

No decorrer do dia iremos noticiando a situação.

Anúncios