Luiz Renato Martins (Foto: Ana Okada/UOL)

Professor dá aula de artes dentro da reitoria invadida da USP

Ana Okada (Matéria extraída do portal  UOL, às 19h35)
Em São Paulo
Atualizado às 19h10

O professor Luiz  Martins da ECA-USP (Escola de Comunicações e Artes) trouxe à reitoria seus alunos para assistir à aula de História da Arte 1 nesta terça-feira (8). Cerca de 20 estudantes foram acomodados na sala do C.O (Conselho Universitário) desde as 15h, dentro do prédio da administração central, que foi ocupado nesta manhã. A previsão é de que a aula termine às 18h.

“Vim apoiar, estar junto, acho que a greve é mais que legítima”, disse o professor. “Se tem uma coisa que não é legítima é esse reitor.” Segundo o docente, a quebra da isonomia salarial entre professores e funcionários é reflexo da sociedade brasileira que “reproduz uma estrutura de casa grande e senzala”. “Temos professores brancos, alunos que são majoritariamente brancos e funcionários que têm a pele dos brasileiros; essa politica vem agravar isso ainda mais”, afirmou.

O professor lamentou a falta de docentes apoiando o movimento grevista. “Infelizmente, estou sozinho aqui. Com o aumento dado antes das negociações, os professores não têm sequer se reunido em assembleia.” Os docentes receberam, no início do ano, um reajuste de 6%.

Segundo Fernando Costa, reitor da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) e presidente do conselho de reitores das estaduais paulistas, a reestruturação da carreira docente foi “imprescindível para preservar a qualidade de ensino e a competitividade salarial das universidades estaduais paulistas frente às outras universidades públicas”.  Ele também afirmou que a isonomia deve existir entre as três universidades, mas não necessariamente entre funcionários e professores.

Os alunos, no geral, apoiaram a aula na ocupação. Embora houvesse também opiniões mais neutras: “não estou acompanhando muito, mas não acho que a greve tenha que envolver a gente”, diz a estudante Marina Silva, 17 do 1º ano de artes plásticas.

Festival de Greve

Grupos de estudantes que apoiam o movimento grevista e a invasão da reitoria já se organizaram para promover shows de música na noite de hoje. Chamado de “Festival de Greve”, o evento começa às 21h em frente à reitoria. Segundo os organizadores, já está confirmada a presença de B-Negão, cantor e compositor de rap, hip hop e funk. Também devem se apresentar a “Banda do Canil” e o “Coletivo Radiola”.

Os manifestantes vão recolher doações para o fundo de greve durante o evento.

Anúncios