Invasão da PM à UDESC

Veiculamos recentemente neste blog um vídeo que mostra a invasão da PM no campus da UDESC. Apesar de serem cenas revoltantes, que atacam contra a autonomia e o exercício do livre pensamento,  essenciais às universidades, o uso do aparato repressivo no interior dos campis universitários tem se tornado uma prática comum no Brasil. Em 2001 foi a UFBA (veja o vídeo aqui), em 2007 a UNESP e a PUC e em 09 de junho de 2009 foi a vez da USP (veja aqui), para citar apenas alguns casos emblemáticos, visto que isso está virando rotina.

É assustador ver que diversas pessoas, inclusive da comunidade universitária, apoiam esse tipo de prática e defendem a permanência da polícia no campus universitário (inclusive estudantes que disputam o DCE da USP).Talvez essas pessoas tenham esquecido da função essencial da universidade enquanto espaço de exercício democrático, de expressão do livre pensar, sem o qual é impossível qualquer produção de conhecimento. Mais assustador ainda é que justamente os que defendem esse tipo de prática são aqueles que enchem a boca para defender a democracia e o direito de ir e vir dos indivíduos, o que mostra que ou estas pessoas não tem qualquer noção do que deveria ser uma democracia ou elas estão extremamente mal intencionadas.

Publicamos, assim, a nota de repúdio escrita pelos professores da UDESC sobre o ocorrido:

Nota de Repúdio à Invasão da UDESC pela Polícia

Na noite de 31 de maio, frente a uma manifestação de estudantes na entrada principal do campus da UDESC no Itacorubi, contrária ao aumento das tarifas de ônibus urbanos na capital, uma ação da Polícia Militar, sob o comando do tenente-coronel Newton Ramlow, resultou na agressão, no espancamento e na detenção de pessoas, com invasão do campus da UDESC.

Apesar da alegação de “garantia da ordem e do direito de ir e vir dos cidadãos”, o aparato policial, paradoxalmente,  prejudicou o fluxo de veículos, confinou os estudantes dentro do campus e  promoveu uma sucessão de atos de violência e brutalidade. Policiais armados de cassetetes, arma taser, gás pimenta e cães criaram um confronto desigual e inadmissível em contraste com os manifestantes, que promoviam uma passeata pacífica, fundamentada em uma postura de cidadania legítima e coerente com o que se espera de acadêmicos críticos e preocupados com os problemas da cidade em que vivem, entre eles, o estado vergonhoso do transporte coletivo de Florianópolis.

Este lamentável  acontecimento  foi presenciado por vários professores, que tentaram inutilmente mediar a situação, cujas consequências  podiam ser visibilizadas no terror dos estudantes acuados, temerosos diante da truculência dos policiais envolvidos.

A ADFAED – Associação dos Docentes da FAED e a APRUDESC – Associação dos Professores da UDESC consideram que o acontecido envolveu uma dupla violência: contra os manifestantes  e seus direitos de livre expressão e associação, e contra a Universidade, cujo dever é justamente o de promover o debate, a  reflexão, a crítica e  o respeito aos direitos civis.

Repudiamos, portanto,  a invasão do campus da UDESC pela polícia militar bem como  as agressões cometidas contra os estudantes, e exigimos que as autoridades competentes atentem a seus deveres constitucionais, como requer um Estado democrático e de direito.

Ilha de Santa Catarina, 1 de junho de 2010.

ADFAEDAPRUDESC

Anúncios