Ato 5ª feira, 25/03, às  12h30, em frente à Reitoria da USP

Pela garantia dos salários, dos direitos e dos empregos dos trabalhadores terceirizados.

Convocação de: Estudantes das Artes Cênicas da USP

Terceirização

As empresas que “prestam serviço” para a USP atacam, diariamente, diversos direitos trabalhistas. Não obstante tal situação de grave prejuízo para os trabalhadores terceirizados, a USP tem dito, abertamente que: “Não temos nada haver com isso! Trata-se de um problema da empresa”.

Caso Personal

Em dezembro de 2009, a empresa “Personal”, que presta serviço de vigilância, não pagou os salários aos trabalhadores. Muitos deles, inclusive, receberam os holerites “zerados”! Tal prática, como sabemos, é uma tentativa da empresa não receber multa, tentando parecer que o trabalhador estivesse de férias, quando, na verdade, ele estava trabalhando. Trata-se de uma grave ilegalidade e completa demonstração de má-fé.

A Conivência da USP

Se não bastasse, em janeiro a empresa novamente voltou a não pagar o salário de muitos dos trabalhadores, sendo que somente alguns poucos receberam parcialmente seus salários.

Diante disso, verificando essa situação absurda, a Reitoria se comprometeu a pagar o salário do mês de fevereiro para os trabalhadores, sempre ressaltando que não era sua obrigação, pois, segundo ela, a responsabilidade é da empresa prestadora.

No entanto, neste 11 de março, a Reitoria pagou aos trabalhadores somente parcela do valor devido. Não foram pagos o vale-alimentação, o vale-transporte, e para alguns, pagou somente 70% do mísero salário que deveriam receber.

Circulam informações que a Reitoria não age com mais rigor em relação às empresas terceirizadas porque, supostamente, teria professores da USP que são proprietários/sócios de empresas prestadoras de serviços, o que merece averiguação por parte por parte do Ministério Público do Trabalho, caso estejam corretos os boatos.

Sinhô Rodas: Reitor da escravidão

Diante da situação clara de abuso contra os trabalhadores, Rodas – “o Reitor do diálogo” – se comprometeu a manter o emprego dos trabalhadores contratando-os através da empresa “prestadora de serviços” que entraria no lugar da “Personal”. Após alimentar a esperança dos trabalhadores de que regularizaria a situação deles e pedir que continuassem em seus postos de trabalho, no dia 19 de março, mandou-os embora, sem pagar os direitos, os dias trabalhados, NADA.

Aproveitou-se a situação de desespero dos trabalhadores para explorá-los ainda mais, humilhá-los ainda mais, para prometer, prometer e não assinar nada, nenhum contrato sequer provisório com eles valendo-se da justificativa que “a USP contrata serviços, não contrata pessoas.Quem tem que lidar com as pessoas não é a USP.”

A ação

Nós, estudantes de artes cênicas que nos solidarizamos com os trabalhadores terceirizados, contratados pela empresa Personal de vigilância, que há 3 meses permanecem numa dura luta, para que a Reitoria da USP pague seus salários e garanta seus direitos e empregos, convidamos todos os estudantes da USP e todos aqueles que também se solidarizam a se somarem nessa luta.

Na quinta-feira, 25/03, ás 12:30, estão todos convidados a estarem na frente da Reitoria para exigir que a Reitoria da Universidade não se omita diante de tais absurdos e ilegalidades e garanta os salários, direitos e empregos dos trabalhadores.

Anúncios