julho de 2009

prof. Luiz Renato Martins (CAP-ECA)

10 sessões, nos dias:

6 (segunda); 8 (quarta)

13 (segunda); 14 (terça); 15 (quarta); 16 (quinta); 17 (sexta)

20 (segunda): 21 (terça); 22 (quarta)

Local: Auditório Lupe Cotrim – Prédio Central da ECA, Primeiro Andar

Horário: 14 – 18h 00

SESSÕES I – II / EXIBIÇÃO (5h56′) E DISCUSSÃO

6 e 8 de julho

A COMUNA, Paris, 1871

(La Commune, Paris 1871)

filme de Peter Watkins, 1999, 13 Production / La Sept Arte / Musée d’Orsay, 5h45 min., versão original (francês), leg. em espanhol

Rodado em 13 dias em uma fábrica abandonada nos arredores de Paris, La Commune (Paris, 1871) reencenou o fato histórico tal qual um documentário. O elenco numeroso foi composto majoritariamente por atores não profissionais. Segundo Watkins: “A Comuna de Paris foi sempre marginalizada pelo sistema de educação francês, a despeito de ser – ou talvez justamente por isso – um evento chave na história da classe trabalhadora européia”.

Assim, enquanto apresenta o cotidiano das lutas das camadas mais baixas da população de Paris contra a reação de Versalhes, La Commune também problematiza as formas de seu próprio discurso – e da função atual dos media – mediante a inserção de um anacronismo: no contexto das lutas de 1871 os trabalhadores em luta formam um canal de TV para se opor ao canal oficial de Versalhes.

TODA REVOLUÇÃO É UM LANCE DE DADOS

(Toute Révolution Est un Coup de Dés)

filme de Jean-Marie Straub e Danièle Huillet, França, 1977, 10’47’’, versão original em francês, legendas em espanhol.

Baseado no poema “Um lance de dados jamais abolirá o acaso” de Stéphane Mallarmé, o filme foi girado precisamente diante do muro em que foram fuzilados vários communards, em maio de 1871, no cemitério Père Lachaise de Paris. Ousado, ao seguir ao pé da letra a idéia do poesia, de entrelaçar revolução e acaso, e despojado, o filme apresenta a (re)citação de um dos mais célebres e complexos poemas de Mallarmé (o último publicado pelo autor em vida, um ano antes de sua morte, em 1898) e propõe um equivalente fílmico para o experimento original do autor com tipografia e layout, atribuindo as palavras a nove oradores diferentes, separando cada fala, e usando ligeiras pausas que correspondem aos espaços brancos da página original.

*

SESSÕES III – V / EXIBIÇÃO (06h 47′) E DISCUSSÃO

13, 14 e 15 de julho

A GREVE

(STACHKA)

filme de Sergei Eisenstein, 1924, URSS, 1h 13min., versão original, leg. em português

Numa fábrica na Rússia tzarista, um operário, acusado injustamente, suicida-se e provoca uma greve.

A HORA DOS FORNOS

(LA HORA DE LOS HORNOS)

filme de Fernando Solanas e coletivo Cine Liberación, 1968, Argentina, 4 h 08 min., versão original (espanhol), leg. em espanhol

35 MM – blanco y negro / Documental en 3 partes / RODAJE: Argentina / EDICIÓN: Roma / DIRECCIÓN: Fernando Solanas / P0052ODUCCION: CINESUR S.A. (Buenos Aires) / GUIÓN: F. E. Solanas y Octavio Getino / FOTOGRAFIA: Juan C. De Sanzo / CÁMARA: Fernando Solanas / MUSICA: Roberto Lar / MONTAJE: Antonio Ripoll, Carlos Masías / SONIDO: Aníbal Libenshon.

CARTA A LOS ESPECTADORES EN OCASION AL REESTRENO EN MAYO DE 1989:

¿Cómo hacer para contarles a quienes nacieron en la fabulosa década del 60 lo que fueron esos años épicos y violentos, liberadores y represivos y llenos de rupturas, sueños y utopías? ¿cómo poder transmitirles lo que significó para nosotros esa época en que teníamos menos de treinta años y desafiando miedos y prohibiciones nos lanzamos a la más hermosa y difícil de nuestras “aventuras” como fue concebir y realizar LA HORA DE LOS HORNOS…?…¿cómo narrarles la violencia institucionalizada y el desánimo imperante luego de más de una década de dictaduras o de gobiernos surgidos sobre la proscripción de las mayorías nacionales? ¿cómo expresarles lo que fue la violencia gorila con el bombardeo a la población civil en 1955 y los miles de confinados en la Patagonia; con los fusilamientos de 1956 y las torturas del Plan Conintes; con la movilización militar de los trabajadores en huelga, más los miles de proscritos y presos políticos que durante esos años fueron una triste costumbre? ¿cómo explicarles el esfuerzo de trabajo, prudencia y organización que tuve que hacer durante la dictadura del general Onganía para poder producir y realizar este primer largometraje con mi productora de cine publicitario, llevarme después a Roma más de 200 latas para terminar su edición y lanzarla sorprendiendo al régimen…? ¿cómo confesarles las innumerables crisis creativas y técnicas, políticas, personales o grupales que en aquella soledad tuvimos que enfrentar junto a Octavio Getino para poder continuar con esta utopía hasta proyectarla a sus espectadores naturales? ¿cómo recrearles lo difícil que nos fue tomar contacto con la clase trabajadora cuando instintivamente tanto los delegados como los laburantes desconfiaban de los intelectuales porque veían en ellos a quienes los habían olvidado o traicionado a lo largo de la historia? ¿cómo contarles la profunda alegría que sentíamos al aprender de la memoria popular la historia prohibida o silenciada del movimiento nacional que era, nada menos que la continuidad de la gesta independientista y anticolonial? ¿cómo hacer para transmitirles el esfuerzo realizado sobre la propia marcha para liberarnos de todas las concepciones dependientes -políticas y cinematográficas- y el goce inmenso que sentimos cuando empezamos a inventar la película a partir de las necesidades y prioridades que teníamos en aquel entonces, concebir y realizar un film que fuera en sí mismo un acto de resistencia contra la dictadura y un instrumento para la movilización, el debate y la discusión política? ¿cómo poder explicarles que viviendo en la ilegalidad más absoluta, clausurado el Congreso, prohibidas las actividades políticas y estudiantiles, implantada la censura, intervenida la universidad y sin perspectiva de cambiar la violencia del sistema por vías constitucionales o legales desde 1955, la experiencia de la lucha del Tercer Mundo alimentaba y enseñaba el camino de la violencia popular como alternativa de liberación? ¿cómo contarles que en aquellos años 60 iba surgiendo en toda mi generación una nueva conciencia, como por ejemplo, descubrir que sólo la oligarquía porteña había usado sistemáticamente la violencia para imponer su proyecto desde los tres grandes genocidios -la guerra contra el gaucho, la guerra contra el Paraguay y la guerra contra el indio- y que en este siglo esa misma oligarquía había derrocado con golpes de Estado a cuanto gobierno constitucional y popular se opuso a sus designios? …¿no eran ideas a tener en cuenta, padeciendo una dictadura, aquellas del general Mitre cuando en 1874 justificaba su alzamiento contra el gobierno de Avellaneda diciendo que: “Cuando el derecho del sufragio, fuente de toda razón y todo poder en las democracias queda suprimido de hecho (…) la revolución es un derecho, un deber y una necesidad, y no ejecutarla con pocos o con muchos, con las armas en la mano, sería un oprobio”? (…)

Finalmente, ¿cómo expresarles la alegría y el goce que hemos vivido al constatar que la obra soñada se iba haciendo realidad y que la historia era generosa con nosotros porque en pocos meses LA HORA DE LOS HORNOS pasaba de ser un film maldito a un mito, una leyenda, que ejercía honda influencia no sólo en América Latina sino en Europa y EE.UU.? Por último ¿cómo enumerar lo más extraordinario de este largo proceso y que fueron los cientos de proyecciones en nuestro país a quienes debían continuar la historia en el presente con su práctica política…? …¿Cómo hacerles sentir las emociones que vivimos, lo que aprendimos en esos verdaderos “actos de liberación” que desencadenaba “LA HORA…” al ser proyectada en casas de familia, parroquias, sindicatos, escuelas o facultades, donde la gente acudía a pesar de la represión…?

Fernando Solanas / Mayo 1989

COMO SE FEZ A HORA DOS FORNOS

(COMO SE HIZO LA HORA DE LOS HORNOS)

filme de Fernando Martín Peña, 2007, Argentina, 1h26min., versão original (espanhol), leg. em espanhol

Entrevista com o diretor Fernando “Pino” Solanas.

*

SESSÃO VI – PALESTRA

16 de julho

DO NEOCONCRETISMO AOS PROGRAMAS DE TRANSIÇÃO DA ARTE NO PÓS-1964 / O ESQUEMA DA CONSOLIDAÇÃO (1964-1975)

*

Sessão VII – EXIBIÇÃO (02h13′) E DISCUSSÃO

17 de julho

O GRUDE (La Glu)

filme de Edouard Hayem, França, 1968, 19 min., versão original (francês), sem leg.

Cenas da vida de um imigrante português que trabalha na construção civil e mora na favela de Nanterre.

ATÉ LOGO, ESPERO (À bientôt, j´espère)

Grupo Medvedkin (Chris Marker e Mario Marret), França, 1967-1968, 44 min., versão original (francês), leg. em português

A mídia oficial fazia pouco caso da greve operária na Rhodiaceta de Besançon, que contituiu o primeiro caso de ocupação de fábrica desde 1936. Os membros do comando de greve tiveram a idéia de chamar o realizador Chris Marker para que mostrasse o sofrimento, mas também a audácia dos operários da Rhodia, que reivindicavam condições de trabalho mais humanas, e também o direito à cultura.

CLASSE DE LUTA (Classe de lutte)

Grupo Medvedkine de Besançon (Chris Marker, Bruno Muel e outros), França, 1968, 16mm, P&B, 40 min., versão original (francês), leg. em português

Suzanne Zedet, operária na fábrica Yema, de Besançon, e militante da CGT, já aparecia discretamente em Até logo, espero. Mas aparecia, para logo desaparecer à sombra de seu marido. Seu desejo de falar aflorava, mas se apresentava retido pela timidez, pelo peso da rotina doméstica, pela palavra do homem e pela impossibilidade de conciliação da vida familar com as exigências da militância. Em Até logo, espero, feito em dezembro de 1967, Suzanne se cala. Já em Classe de Luta, Suzanne surge tomando a palavra. As razões que lhe impediam de falar parecem ter se dissolvido na ação.

O PRIMEIRO DE MAIO EM SAINT-NAZAIRE

(Le Premier Mai à Saint-Nazaire)

filme de Marcel Trillat e Hubert Knapp, França, 1967, 20 min., versão original (francês), sem leg.

O filme foi girado durante a grande greve dos precários mensalistas, que durou 62 dias. Mostra suas experiências de luta e solidariedade. O filme foi censurado e, na época, não pode ser a apresentado na TV francesa (ORTF).

É SÓ O COMEÇO (Ce n’est qu’un début)

filme da ARC (Grupo de Pesquisas Cinematográficas), realizado por Michel Andrieu, França, 1968, 10 min., versão original (francês), sem leg.

Breve montagem de sequências sobre o início do movimento estudantil de maio.

PALESTRA

TEMPO, LUTA E CINEMA

*

Sessão VIII – EXIBIÇÃO (2h50′) E DISCUSSÃO

20 de julho

O LINDO MÊS DE MAIO (Le joli mois de mai)

filme da ARC (Grupo de Pesquisas Cinematográficas), França, 1968, 33 min., versão original (francês), sem leg.

As manifestações de 68 pela Europa. Uma visão de certos eventos que marcaram fortemente o maio de 68.

NANTES SUD AVIATION (Nantes Sud Aviation)

film da ARC, Pierre-William Glenn et Michel Andrieu, França, 1968, 30 min., versão original (francês), sem leg.

No 14 de maio, os operários da companhia Nantes Sud Aviation juntaram-se ao movimento grevista. Michel Andrieu filmou.

O DIREITO À PALAVRA (Le droit à la parole)

filme ARC; direção de Michel Andrieu e Jacques Kébadian, França, 1968, 52 min., versão original (francês), sem leg.

O filme apresenta algumas das manifestações do processo de tomada da palavra que foi o maio de 68: a rua como lugar de diálogo, os muros como espaços de expressão, as tentativas de ultrapassar as divisões sociais cotidianas… Um retrato das relações entre estudantes e trabalhadores, com imagens dos grevistas tomando a palavra nas fábricas e nas universidades.

SOCHAUX, 11 DE JUNHO DE 1968 (Sochaux, 11 juin 1968)

obra coletiva, França, 1970, 20 min., versão original (francês), leg. em português

O filme Sochaux, 11 juin 68 nasceu do grupo de cinema Medvedkine, de Sochaux. Realizada por operários, a obra contou com a colaboração de Bruno Muel, na realização, e de Chris Marker, na montagem. O filme é de 1970, e procura rememorar a morte de dois operários, Beylot e Blanchet, assassinados pelos pelotões policiais CRS que utilizaram armas de guerra, em 11 de junho de 1968, contra os operários que haviam ocupado a fábrica Peugeot, em Sochaux, a maior unidade industrial da França.

OS OPERÁRIOS TAMBÉM (Les ouvriers aussi)

filme de Marion Rousset e Arthur Guibert a partir de entrevistas com Bruno Muel e Xavier Vigna, França, 2007, 35 min., versão original (francês), leg. em português

Uma conversa sobre a participação operária nas lutas de maio e junho de 1968, realizada entre Bruno Muel, cineasta da Iskra e membro do Grupo Medvedkine, em 1968, e o historiador Xavier Vigna, autor de um livro sobre a insurreições operárias na França da década de 1960. A conversa, apoiada em material de arquivo e em fragmentos de filmes da época, realizados pelo Grupo Medvedkine, destaca a importância das lutas operárias em 1968.

*

Sessão IX – EXIBIÇÃO (03h20′) E DISCUSSÃO

21 de julho

CLÉON (Cléon)

filme de Alain Laguarda, França, 1968, 27 min., versão original (francês), sem leg.

Os trabalhadores da fábrica Cléon, da Renault, foram os primeiros operários a entrar em greve em Maio de 68. O filme, um exemplo de cinema de ocupação e de auto-representação operária no cinema, mostra as esperanças e as contradições do movimento grevista de ocupação.

A RETOMADA DO TRABALHO NAS FÁBRICAS WONDER

(La Reprise du travail aux usines Wonder)

filme de Pierre Bonneau et Jacques Willemont, França, 1968, 9 min., versão original (francês), sem leg.

No princípio é uma foto, uma foto numa revista de cinema… Uma jovem morena revoltada, que grita. Estamos em junho de 68, no momento a retomada do trabalho nas fábricas Wonder, após a greve de maio. Dois estudantes do Institut des Hautes Études Cinématographiques (IDHEC) filmam a cena. Vemos os trabalhadores da empresa Wonder, de Saint-Ouen, que retornam ao trabalho após três semanas de greve. Mas essa jovem continua do lado de fora e berra de novo. Ela grita que não retornará ao trabalho, que não pretende retomar ao escritório, às cadências e à estupidez dessa prisão. Trabalho célebre, de 10 minutos, girado por estudantes do IDHEC, em junho de 68, que foi considerado como O filme das lutas de maio-junho e como uma das grandes realizações do cinema direto.

EN RACHÂCHANT

filme de Jean-Marie Straub e Danièle Huillet, França, 1982, 6’59’’, versão original em francês, legendas em português.

Baseado no texto de Marguerite Duras “Ah! Ernesto” (1971), En Rachâchant é a historieta cômica e elíptica de um garoto que se recusa a cooperar no processo educacional.

COM O SANGUE DOS OUTROS (Avec le sang des autres)

filme de Bruno Muel, França, 1975, 50 min., versão original (francês), leg. em português

Bruno Muel realizou Avec le sang des autres com os trabalhadores da fábrica Peugeot, em Sochaux. Ao longo de insuportáveis seqüências, filmadas na fábrica, a violência é percebida diretamente pelo espectador. Elas traduzem o tempo real da produção e indicam a natureza própria do trabalho repetitivo, na cadeia de montagem.

VIDEOGRAMAS DE UMA REVOLUÇÃO

(Videogramme einer Revolution)

filme de Harun Farocki e Andrei Ujica, Romênia / Alemanha, 1992, 1h46, versão original, legendas em espanhol.

No outono europeu de 1989, a história aparecia diante dos olhos. Os “Videogramas” de Farocki e Ujica mostram a revolução romena de dezembro de 1989 em Bucareste a partir de uma nova forma de historiografia baseada nas mídias visuais. Manifestantes ocuparam a estação de televisão em Bucareste e transmitiram continuamente por 120 horas, estabelecendo assim o estúdio da televisão como um novo lugar para a história. Entre 21 (o dia do último discurso de Ceaucescu) e 26 de dezembro de 1989 (a primeira transmissão de seu julgamento), as câmeras gravaram os eventos ocorridos nos lugares mais importantes de Bucareste, praticamente sem exceção. A mídia determinante de uma era sempre marcou a história na Europa moderna. A história foi influenciada pelo teatro de Shakespeare a Schiller, e depois pela literatura, até Tolstoi. Como se sabe, o século XX é fílmico. Mas apenas a videocamera, com suas possibilidades ampliadas em termos de tempo de gravação e mobilidade, pode completar o processo de filmar a história. Os “Videogramas de uma Revolução” foram concebidos em parceria por Harun Farocki e Andrei Ujica. Ujica é um escritor Romeno que vive na Alemanha desde 1981, onde é professor de literatura e de teoria das mídias. Tem boas conexões com amigos romenos e colegas que não apenas abriram os arquivos da televisão para os autores, mas também possibilitaram o contato com os cameramen dos estúdios estabelecidos e com numerosos videastas amadores que documentaram os eventos das ruas de Bucareste, freqüentemente de tetos de edifícios altos. “Se na erupção da insurreição apenas uma câmera ousou gravar”, disse Farocki, “centenas estavam operando no dia seguinte”. (Dietrich Leder, Film-Dienst 24/92).

*

Sessão X – EXIBIÇÃO (03h13′) E DISCUSSÃO

22 de julho

ME GUSTAN LOS ESTUDIANTES

filme de Mario Handler, Uruguai, 1968, 5’46’’, versão original em espanhol, sem legendas.

Os estudantes protestam durante a conferência de chefes de estado em Punta del Este, em 1968. O filme apresenta o contraponto entre presidentes, estudantes e a repressão policial.

TLATELOLCO: LAS CLAVES DEL MASACRE

filme de Carlos Mendoza, 2003, canalseisdejulio, México, 57 min., versão original (espanhol), sem leg.

Este documentário reúne a totalidade dos testemunhos cinematográficos, conhecidos até o momento de sua realização em 2003, sobre o massacre de centenas de estudantes mexicanos, reunidos na Plaza de las Tres Culturas, em Tlatelolco, Cidade do México, em 2 de outubro de 1968. O documentário, produzido pelo jornal de oposição La Jornada, em associação com o canalseisdejulio que já realizara outros filmes investigativos sobre o ocorrido, identifica os chefes militares das forças especiais que promoveram a carnificina e reconstitui o complô responsável pelo massacre, que contou com a participação de oficiais do gabinete presidencial de Gustavo Díaz Ordaz, do embaixador norte-americano no México, Fulton Freeman, e de homens da CIA.

ILUSTRAÇÃO DA ARTE N. 2

filme de Antonio Dias, Brasil, 1971, 1 min. 40 seg, filme mudo

Breve história visual de uma luz que se dissemina e se multiplica quando dois corpos se unem.

O apito da panela de pressão

filme do Grupo Alegria (Alberto Tassinari, Arlindo Machado, Odon Cardoso e Sérgio Tufik), Brasil, 1977, 25 min. 30 seg, 16 mm., apoio DCE- Livre da USP e DCE-Livre da PUC/SP, versão original

Em maio de 1977, os estudantes paulistas vão às ruas, pela primeira vez desde o AI-5, para realizar o seu Dia Nacional de Luta, protestar contra a ditadura militar e reivindicar liberdades democráticas e anistia. As autoridades e a polícia tentam, mas não conseguem deter as manifestações.

FABRICA SEM PATRÃO (Fabrica sin patron)

filme de Daniele Incalcaterra, 2004, Argentina, 63 min., versão original (espanhol), sem leg.

Documentário sobre a história de luta operária, na Zanon, fábrica de cerâmica de Neuquen, Argentina, que funciona há cerca de oito anos sob controle operário.

ZANON, ESCOLA DE PLANEJAMENTO (Zanon, escuela de planificación)

Noticiero obrero Kino-Nuestra Lucha, Sindicato Ceramista de Neuquén, Brukman y MTD-Neuquén, 2002, Argentina, 39 min., versão original (espanhol), sem leg.

Documentário sobre a retomada da produção sob controle operário, o funcionamento transparente e solidário da fábrica, e os apoios encontrados pelo movimento operário da fábrica sem patrão na comunidade, entre os trabalhadores desocupados (MTD) e as “madres de Mayo”.

*

BIBLIOGRAFIA:  

1. Texto básico:

Walter BENJAMIN, “Sobre o conceito de história“, in Michel LÖWY, Walter Benjamin: Aviso de Incêndio/ Uma Leitura das Teses “Sobre o conceito de história”, trad. W. N. Caldeira Brant, trad. das teses J-M. Gagnebin, M.L. Müller, São Paulo, Boitempo, 2005.

Anúncios